top of page
  • Espaço Exibicionista

LARA ROSEIRO

O processo criativo de Lara Roseiro remete para a casa como espaço íntimo do quotidiano feminino através de cenários interiores, não acessíveis mas reconhecíveis ou imagináveis, evidenciando aberturas que convidam à participação do observador tornando-o um voyeur. Mestrado em Pintura pela Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa (2011-2013) e Licenciatura em Pintura pela Escola Universitária das Artes de Coimbra - ARCA/EUAC (1998-2003).


The creative process of Lara Roseiro refers to the home as an intimate space of the female daily life through interior scenarios, not accessible but recognizable or imaginable, showing openings that invite the observer to participate, making him a voyeur. Master's Degree in Painting from the Faculty of Fine Arts of the University of Lisbon (2011-2013). Degree in Painting from the University School of Arts of Coimbra - ARCA / EUAC (1998-2003).


lara_roseiro.jpg
Lara Roseiro (Portugal - Coimbra, 1980)

 

NICLES BATATÓIDES - SOLO EXHIBITION 2023


LARA ROSEIRO _ INSIDE EE

Artist Satement - Solo Exhibition 2023 (PT)

Na vida de campo cabem muitos lugares, há labor – lavrar, semear, plantar, fertilizar, podar, cultivar, capinar, enxertar, colher, regar, adubar, compostar… uma trabalheira! – mas também há repouso. Há um banco coxo, um espantalho que mete medo ao susto, um escadote escaqueirado com tábuas de madeira carcomidas, troncos encarquilhados e retorcidos sobre si mesmos, uma cadeira marreca, entre outros trambolhos escangalhados, toscos ou raquíticos. À sombra da latada ouvem-se delicadas melodias de aves onde as tertúlias de boa conversa se prolongam acompanhadas por patuscadas, um banquete de copos lascados com chá de parreira ou um refrescante jarro de tisanas com folhas lanceoladas de lúcia-lima e hortelã. À mesa, improvisa-se o departamento da agricultura com bicho-carpinteiro: partilha-se receitas e mezinhas para solos ácidos e alcalinos ou como obter um bom terriço, húmus ou matéria orgânica e diz que a minhoca enriquece a terra tornando-a fofa e nutritiva. Discute-se sobre fertilizantes orgânicos, minerais ou mistos, adubos químicos ou sobre o tratamento de pragas – da cochinilha aos bichos-de-conta – e demais maleitas, parasitas e moléstias. Sobre a intensidade de luz, a temperatura, a humidade, o vento e a sua desorientação, o sol, a chuva, a geada, o granizo, e outras encomendas climatéricas. Debate-se sobre podas e enxertias de garfo, escudo, flauta ou coroa. Sementes, bolbos, raízes e tubérculos. Caule, folhas, flores e frutos. Aprende-se sobre a rega gota a gota ou o regadio com caldeira onde nascem ervas com mau feitio. Aqui, nos lugares de prazer, há sempre o cantinho da horta e das aromáticas, um sobrado com objetos de memórias e afetos gastos, um esconderijo sombrio onde as batatas nunca grelam, uma cabana de chapa improvisada com tranças de cebolas, uma estufa desconchavada, um telheiro de lona com caruncho acompanhado por tralhas acumuladas – o clássico regador de latão corroído, um carrinho de mão remendado, uma sachola desamparada, um baloiço de outra vida, lenha para o aconchego dos dias cinzentos, um balde com água salobra, umas botas de cano ratadas… enfim, um depósito de apetrechos e trambolhos descendentes de um quotidiano rural. Mas, enquanto houver uma galinha alvoroçada, meninice para trepar e construir uma casa na árvore, abelhas polinizadoras, chuva molha-tolos e o cheiro a terra molhada, pássaros fadistas, uma gata burguesa, cucurbitáceas, gafanhotos saltitantes, flores e frutas de arco-íris com polpa sumarenta e epiderme aveludada, uma nuvem de poeira da terra lavrada e as mãos gretadas, mosquitos – Ai, malditos mosquitos! – e um chapéu de palha desfiada para cabelos desgrenhados, há deleite… prazeres deliciosos, aromas e sabores campestres, elementos naturais para vivências sensoriais. Na terrinha não se usam só farpelas idosas, desajeitadas, mal-amanhadas, desbotadas ou enxovalhadas, há trapilhos descontraídos e desempoeirados de paleta fauvista – amarelo-girassol, rosa-framboesa, rubi-romã, lilás-lavanda, verde-rosmaninho, violeta-beringela, vermelho-beterraba – que evocam uma herança de figurinos e de tecidos com padrões florais, esféricos, sinuosos ou alinhados, fatiotas com texturas planas, volumétricas, cosmopolitas, kitsch ou deformadas. Qual campónia, uma lufada de ar fresco, portanto!

Artist Satement - Solo Exhibition 2023 (EN)


 

STILL LIFE - SOLO EXHIBITION 2020


Still Life remete para uma linguagem Pop: Transporta para os sistemas de comunicação, os anúncios publicitários, e as modas efémeras que estimulam a fantasia, a liberdade e o prazer das necessidades sociais e das realidades do lar.

Still Life refers to a Pop language: It transports us to communication systems, commercials, and ephemeral fashions that stimulate fantasy, freedom and the pleasure of social needs and the realities of the home.


 

ESPELHO MEU - SOLO EXHIBITION 2015

O espelho simboliza busca e reflexão, um olhar para dentro à consciência de si própria, manifestando-se como um instrumento de revelação, confidência e conhecimento: uma janela translúcida que está para lá do visível... The mirror symbolizes searching and reflection, an inside look at the consciousness of itself, manifesting itself as an instrument of revelation, confidence and knowledge: a translucent window that is beyond the visible...

Lara Roseiro - EE Anual Group Show's

The Gallery challenged the artists to present a work related with a theme. Pop Corn (2018) - DIAD (2019) - Dilema (2020) - Library (2022)



12 visualizações0 comentário

Commentaires


bottom of page