top of page
  • Espaço Exibicionista

NICLES BATATOIDES | LARA ROSEIRO

Atualizado: 3 de jun.


lara_roseiro.jpg
NICLES BATATOIDES | LARA ROSEIRO

Nicles Batatóides apela a um jogo de palavras através de provérbios com uma perspetiva humorística ou irónica, sugerindo ambiguidades semânticas e uma multiplicidade de sentidos, ou sem sentido algum; alusões inusuais, subtis trocadilhos e graçolas que provocam novos significados. Explora muitas possibilidades, apresentando várias camadas dentro de um olhar despretensioso: ser livre, caótico, mandar às urtigas, pantomineiro ou até ridículo. É a ambivalência entre a usufruição e o esforço do campo, uma salada tutti-frutti e um estendal de legumes, que permite a preguicite aguda, provocando sorrisos descontraídos. “Nicles Batatóides” evoca uma cenografia Pop por meio de uma composição pictórica, teatral e poética, apresentando composições galhofeiras que lembram os elementos decorativos naturalistas bordalianos: uma cesta com fruta bicada e demasiado madura coberta de mosquedo… mas que biodesagradável!


Nicles Batatóides appeals to a wordplay through proverbs with a humorous or ironic perspective, suggesting semantic ambiguities and a multiplicity of meanings, or none sense at all; unusual allusions, subtle puns and jokes that provoke new meanings. It explores many possibilities, presenting multiple layers within an unpretentious look: be free, chaotic, “send to the nettles”, playful or even ridiculous. It is the ambivalence between enjoyment and countryside effort, a tutti-frutti salad and a vegetable rack, which allows acute laziness, producing relaxed smiles. “Nicles Batatóides” evokes a Pop scenography through a pictorial, theatrical and poetic composition, presenting frisky compositions that remind Bordallian naturalist decorative elements: a basket with pecked and overripe fruit covered with mosquitoes… but how bio-unpleasant!


Lara Roseiro (1980)


Aqui, nos lugares de prazer, há sempre o cantinho da horta e das aromáticas, um sobrado com objetos de memórias e afetos gastos, um esconderijo sombrio onde as batatas nunca grelam, uma cabana de chapa improvisada com tranças de cebolas, uma estufa desconchavada, um telheiro de lona com caruncho acompanhado por tralhas acumuladas – o clássico regador de latão corroído, um carrinho de mão remendado, uma sachola desamparada, um baloiço de outra vida, lenha para o aconchego dos dias cinzentos, um balde com água salobra, umas botas de cano ratadas… enfim, um depósito de apetrechos e trambolhos descendentes de um quotidiano rural (...)

Here, in the places of pleasure, there is always the little corner of the vegetable garden and the aromatic plants, a hayloft with objects of spent memories and affections, a dark hiding place where the potatoes never bud, an improvised sheet metal hut with braids of onions, a ramshackle greenhouse, a canvas shed with rot accompanied by accumulated junk – a classic corroded brass watering can, a patched wheelbarrow, a helpless hoe, a swing from another life, firewood to snuggling of the gray days, a bucket of nasty water, some ratty rubber boots… anyway, a deposit of paraphernalia and hindrances descending from a rural daily life (...)

lara_roseiro.jpg
lara_roseiro.jpg
lara_roseiro.jpg
lara_roseiro.jpg
lara_roseiro.jpg


57 visualizações0 comentário

Комментарии


Комментарии отключены.
bottom of page