top of page
  • Espaço Exibicionista

MARIANA DUARTE SANTOS

Atualizado: 6 de mar.

Mariana Duarte Santos (1995) é uma artista plástica de Lisboa especializada nas técnicas de gravura, desenho e pintura. Mais recentemente estendeu o seu trabalho na área da arte pública através da pintura de murais. O seu trabalho é bastante influenciado pelo cinema e a literatura. Muitas das suas obras são baseadas em still frames de filmes esquecidos ou séries de televisão antigas.


Mariana Duarte Santos (1995) is an artist from Lisbon specializing in engraving, drawing and painting techniques. More recently, she has extended her work for public art through the painting of murals. Her work is heavily influenced by cinema and literature. Many of her works are based on still frames from forgotten movies or old television series.


 

BEHIND CLOSED DOORS, 2024

INSIDE EE : MARIANA DUARTE SANTOS, 2024

Artist Statement

O meu trabalho centra-se à volta de pintura a óleo, desenho, gravura e pintura. É sempre de natureza figurativa e influenciado por outras áreas artísticas como o cinema e a literatura. Normalmente trago inspiração de cenários do dia a dia bem como a relação das pessoas com os seu monólogos interiores. Gosto de criar imagens ambíguas que ao mesmo tempo indicam uma história e deixam uma narrativa aberta que cada observado pode interpretar à sua própria maneira

Baseio muito do meu trabalho em still frames de filmes e série de televisão antigas que tenho recolhido ao longo do tempo. Nelas tento renovar e reanimar estás imagens antigas poderosas que vejo como ainda merecedoras de vida, ao isola-las e apresentá-las de uma nova maneira. Escolho imagens de séries de televisão em vês de filmes conhecidos porque não quis que os atores fossem imediatamente identificáveis; queria a beleza das imagens por si em vez de simplesmente um retrato de uma “celebridade”. Interessa-me tirar o estas imagens esquecidas do seu contexto original e retratar imagens que sugerem uma história ou transmitem um momento de tensão no qual algo está prestes a acontecer mas nunca o faz. Imagens em filme aparecem e desaparecem tão rapidamente que muitas vezes passam despercebidas, especialmente na televisão, trazendo estas imagens “descartadas” para um novo material, tempo e contexto, espero conseguir dar-lhes uma nova vida e significado. My work is centered around oil painting, drawing, printmaking and mural painting. It’s always figurative in nature and influenced by other artistic areas such as cinema and literature. I usually take inspiration from everyday settings and scenarios as well as the relationship between people and their inner dialogues. I like to create ambiguous images that at the same time convey a story while having open narratives that each observer can interpret in their own way. I base a lot of my work on still frames from old movies and TV shows that I've gathered over time. In them, I attempt to renew or reanimate the old and poignant images that I see as still worthy of life by isolating them and presenting them in a new way. I chose images from TV shows as opposed to movies because I did not want the actors to be immediately identifiable; I wanted the beauty of the images themselves as opposed to simply a portrait of a "celebrity“ I like to take these forgotten images out of context to portray images that hint at a story or convey or a moment of tension where something is about to happen but never does. Images in film go by so quickly that they are often unnoticed, especially in TV shows, by taking these "discarded" images into a new medium, time, and context, I hope to bring to them a new life and meaning.




 

THE EVERYMAN, 2022


INSIDE EE : MARIANA DUARTE SANTOS, 2022

De onde surge esta paixão por filmes da década de 60 e 70? Where does your passion for movies from the 60s and 70s come from?


Sempre adorei a cultura destas décadas, principalmente no que toca à música, mas foi quando comecei a ver o Twilight Zone (1959-1964) que me apercebi da quantidade de imagens extremamente marcantes e relativamente esquecidas que foram produzidas tanto no cinema como também na televisão durante esta altura, os planos inesperados, a estética do film noir e os diferentes ambientes criados. Em grande contraste com os dias de hoje em que tudo parece muito mais clínico e formatado.


I’ve always loved the culture from these decades, especially when it comes to music. But it was after watching The Twilight Zone (1959-1964) that I realised the amount of extremely impactful and relatively forgotten images that were produced in cinema and also in television during this time, the unexpected frames, the film noir aesthetic and the different atmospheres and ambiences created. All of this in high contrast with the current days, where everything seems a lot more clinical and formatted.


marianaduartesantos.jpg

O que significa “The Everyman”? What does “The Everyman” mean?


The everyman é uma expressão que nasce na ficção e que é muito utilizada no cinema. Refere-se a um “stock character” - um homem “típico”, sem nada de extraordinário, com uma vida normal e com quem o público em geral se pode identificar. Nesta exposição quis retratar um pouco desta ideia, daquilo que passa despercebido, partindo também do conceito de “character actor” – um ator que nunca é uma protagonista mas retrata sempre papéis secundários. Estes atores têm de ter uma grande versatilidade para representar todo o tipo de personagens e serem credíveis nos mais variados tipos de cenários.


The everyman is an expression that originates in ficcion but is very used in cinema. It refers to a “stock character” – a typical man, nothing extraordinary about him, with a normal life that the general public can relate to. In this exhibition I wanted to portray a bit of this idea, that which passes by unnoticed, also coming from the concept of “character actor” – an actor that never plays the main character but always plays supporting roles. These actors have a great versatility to portray all types of characters and be believable in the most varied of scenarios



Porquê o Jon Anderson? Why John Anderson?


Para esta exposição poderia ter escolhido muitos “character actores” diferentes, mas para chegar até John Anderson segui vários critérios – queria um ator que tivesse uma longa carreira (neste caso de 1950-1992, 246 créditos) para que pudesse englobar épocas e idades diferentes. Procurei um ator não só com uma cara interessante mas que fosse uma espécie de camaleão, retratando um grande leque de personagens (desde policia, a bêbado, sábio, avô, marido, alien, piloto, cowboy, vendedor de carros, dono de um hotel, empregado de escritório, pescador, general, soldado, anjo, chefe da máfia, fotógrafo, médico, treinador de tigres, mediador de seguros, etc...), para reforçar ainda mais a ideia de “everyman” e de personagem que passa despercebida quis também um ator que tivesse feito parte de um filme conhecido mas que ninguém o associasse com ele (John Anderson foi o vendedor de carros no Psycho). Após ter escolhido o ator e ter visto toda a sua filmografia, apercebi-me de imensos outros aspectos e curiosidades que reforçaram esta escolha, um dos quais é que John Anderson nasceu exatamente há 100 anos, em 1922.


For this exhibition I could have chosen a number of different character actors, to arrive at John Anderson I followed some criteria – I wanted an actor with a long career (in this case from 1950-1992, 246 credits) so I could encompass different eras and ages. I was looking for an actor not only with an interesting face but who was a bit of a chameleon, playing an array of different characters (from policeman to drunk, wiseman, grandfather, husband, alien, pilot, cowboy, car salesman, hotel owner, office worker, sailor, general, soldier, angel, mafia boss, photographer, doctor, tiger trainer, insurance mediator, etc..) to reinforce even more the idea “the everyman” and of the unnoticed character, I also wanted an actor that had been a part of a classic movie that most people wouldn't associate with him (John Anderson was the car salesman in Psycho). After choosing the actor and having watched all his filmography, I became aware of several other aspects and curiosities that reinforced my choice, one of them being that John Anderson was born exactly 100 years ago in 1922.



 

189 visualizações0 comentário

Comentarios


bottom of page