PETRI SALO SOLO EXHIBITION

January 20, 2017

 

FIVE SECTIONS ON PETRI SALO ARTWORK
Texto por Juha-Heikki Tihinen (Crítico Arte)

 

Olhar para a obra de Petri Salo preenche a minha mente com perguntas. Qual é a história da mulher com a perna de pau, onde vai o homem tatuado ou porque carrega o centauro uma mala na mão? Ele criou uma galeria de pessoas, que à primeira vista parecem totalmente desconexas, porque não consigo encontrar nada que os una. Contudo, pouco a pouco começo a perceber determinados pontos em comum, uma vez que os vultos representados pelo artista são como marionetas, preciosamente reservadas nas suas próprias realidades, no entanto, numa lógica irreal, como se eu estivesse a andar entre objectos raros numa vitrine de curiosidades, curiosidades essas que são símbolos.

 

Não sabemos quem são os vultos das pinturas, nem sabemos se as suas histórias têm um princípio e um fim comuns. Em vez disso, temos narrações compostas de cenas ou associações. Deparamo-nos com centauros e outros vultos contemporâneos, inexplicavelmente relacionados, tanto para as criaturas dos mitos familiares quanto para as pessoas que encontramos nas nossas vidas diárias. Por outro lado, Salo também mostra como o estranho ocupa o quotidiano e quão comum o estranho e o fantástico podem parecer.

 

As pinturas apresentam colagens que obedecem a uma lógica irreal, cuja origem fornece um pano de fundo para a história do próprio artista, de como ele é afectado pela arquitectura, obras de arte, móveis, cortinas ou construções antigas e negligenciadas do passado. Assim, Salo é como um Gustave Moreau (1826-1898) dos anos 2000, que reunia as suas próprias pinturas como posteriores surrealistas fizeram com as suas colagens. A capacidade das obras de Moreau de surpreender segue uma lógica diferente da de Salo. As obras do pintor admirado pelos simbolistas, a capacidade de surpreender e o exótico são as primeiras caracterizações que vêem à mente. Mas, as suas obras de Salo estão no limite entre o comum e o irreal.

 

Para mim, a obra de Petri Salo apresenta a teoria dos pormenores numa forma artística, como a sua associação polimórfica e a maneira como escapam à racionalização, para mim ela forma um salão de espelhos artístico, no qual as reflexões criam um mundo de possibilidades ilimitadas. Os pormenores das pinturas de Salo são por vezes como referências à relatividade das coisas e ao efeito do contexto. Num segundo relance, esqueço-me de mim e penso sobre o simbolismo de um objecto ou uma entidade individual, quando o meu desejo é designar e conhecer as coisas. Designar não é apenas uma tentativa de explicar a obra, mas também uma questão de curiosidade e acompanhamento. Quero jogar segundo as regras sugeridas pelo artista.

 

Em muitos trabalhos do artista, é recorrente o tema do encontro. Diferentes pessoas encontram-se ou os espectadores são convidados a testemunhar um evento, que poderá ter a forma de um ritual estranho ou uma reunião secreta. Em todos eles, o mais importante parece ser a ideia de encontrar o místico, em que a vida do personagem principal muda de curso, baseado num evento. As coisas do quotidiano mudam, tornando-se completamente diferentes e coisas inesperadas materializam-se. Na obra de Petri Salo, encontro frequentemente descrições de um momento significativo no qual algo está claramente a acontecer. Mas o quê? A falta de clareza e a transparência do evento resultam numa interpretação mais polimórfica das pinturas de Petri Salo do que o simbolismo, uma vez que nunca estou certo do que se está a tornar claro, se é que algo o esteja.


Conclusão...

Talvez, de facto, as pinturas estejam a representar um momento de escurecimento eterno, um instantâneo de quando tudo muda de novo para tornar-se totalmente diferente, Consequentemente, para mim, o trabalho artístico criativo. O maior segredo da arte é o segredo, uma vez que é um segredo. Os sonhos podem ser lembrados acordado, mas eles apenas existem no sonho. A arte de Petri Salo expressa essa lógica da inacessibilidade sem comprometer a sua fuga do mistério.

Petri Salo expõem, pela segunda vez no Espaço Exibicionista, e uma vez mais convida o observador para uma viagem a mundos fantásticos carregados de simbolismos e mensagens.

A exposição “The House of Light” tem a particularidade de apresentar a maior obra alguma vez realizada por este artista finlandês.
 

 

FIVE SECTIONS ON PETRI SALO ARTWORK
Juha-Heikki Tihinen (Art Critic)

Looking at Petri Salo´s work fills my mind with questions. What is the story of the woman with the wooden leg, where is the tattooed man going or why does the centaur have a suitcase in its hand? He has created a gallery of people, which at first seems totally disjointed, because I cannot find anything that connects them. Yet gradually I start to perceive certain points in common, as the specters represented by the artist are like puppets, preciously reserved in their own realities – yet in a dreamlike logic, as if I had found myself walking around among rare objects in a cabinet of curiosities, curiosities that are symbols.

 

We do not know who the specters of the paintings are, nor do we know whether their stories have a common beginning or end. Instead, we have tales composed of scenes or associations. We meet contemporaneous centaurs and other specters, who are inexplicably related, both to the creatures in familiar myths and to the people we meet in our daily lives. On the other hand, Salo also shows how the strange occupies daily life and how peculiar and fantastic can seem.

 

The paintings present collages conforming to a dreamlike logic, whose origin gives a background to the artist`s own story of how he is influenced by architecture, art works, furniture, curtains or old and neglected constructions of the past. In this way, Salo is like a Gustave Moreau (1826-1898) of the 2000s, who gathered his own paintings like the later surrealists did with their collages. The ability of Moreau`s works to astonish follows a different logic to Salo`s. The works of the painter admired by the symbolists, the ability to astonish and the exotic are the first characterizations that come to mind. But Salo`s works are on the border between the ordinary and the dreamlike

 

To me, Salo`s work presents the theory of details in an artistic form, as their polymorphic association and the way they escape rationalization, to me forms an artistic hall of mirrors, where the reflections created a world of unlimited possibilities. The details of Salo`s painting are at times like references to the relativity of things and to the effect of context. At second glance, I forget myself and think about the symbolism of an individual object or entity, when my wish relates to naming and knowing things. Naming is not only an attempt to explain the work, but is about curiosity and going along. I want to play with the rules suggested by the artist.

 

In many of the artist´s paintings the theme of encounters recurs. Different people meet each other or spectators are invited to witness an event, wich can take the form of the strange ritual or secret meeting. In all these, the most important seems the idea of meeting the mystical, where the main character`s life changes course based on an event. Everyday things change to became completely different and unexpected things materialize. In Salo`s work I frequently encounter depictions of a significant moment, in which something is clearly happening. But what? Lack of clarity and the candour of the event result in a more polymorphic interpretation of Salo`s paintings than symbolism, as I am never sure what is becoming clear, if anything

 

To finish…

Perhaps indeed a moment of eternal darkening is portrayed in the paintings, a snapshot when everything changes again to became totally different. To me, the artist`s work therefore symbolizes the eternal unattainability of artistic creative work. The greatest secret of art is the secret, as it is secret. Dreams can be remembered awake, but they only exist in dream. Petri Salo`s art embodies that logic of the unattainability without compromising its flight from mystery.

 

 

 

 

 

 

 

Please reload

Rua Dona Estefânia 157 C, Lisboa, Portugal | GPS: 38.732722, -9.141149 | T: +351 214 055 054 | info@espacoexibicionista.com

 

SEG-SEX: 11:00 - 20:00 | SAB: 11:00 - 18:00